Projeto Cuca Legal

O Projeto Cuca Legal foi uma iniciativa ligada ao Departamento de Psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) que visava à promoção da saúde mental e à prevenção de transtornos mentais em ambientes de ensino por meio do desenvolvimento de programas de intervenção baseados em evidências científicas.

O projeto contava com uma uma equipe de especialistas das áreas da neurociência, psicologia, psiquiatria e educação com grande experiência no campo da saúde mental. A qualificação profissional, além da diversidade, da extensão das intervenções realizadas e do caráter criativo, responsável e humano das condutas, foram diferenciais nos 12 anos de vida do projeto.

Idealizado pelo Prof. Dr. Rodrigo Bressan, em 2006, e coordenado por Adriana Fóz até 2017, o Cuca Legal passou a ser uma referência na área, fundamentado na premissa de que a disseminação adequada de informações sobre saúde mental é fundamental para o desenvolvimento de fatores protetores que levam ao bem-estar e à redução dos fatores de risco associados ao surgimento e complicações dos transtornos mentais.

Mas o que “disseminação adequada” significa?
A disseminação de informações adequada sobre saúde mental é aquela que ocorre em ações:
1 – Que priorizem a saúde como uma condição muito mais prevalente que a doença;
2 – Com o enfoque no empoderamento dos educadores, e não na sobrecarga ou na terceirização de tarefas;
3 – Que levem em consideração o fortalecimento da rede multidisciplinar, em detrimento da medicalização, por meio do desenvolvimento de uma visão preventiva e esclarecida dos recursos disponíveis e comprovadamente eficazes;
4 – Baseadas em evidências científicas, sempre que existam dados disponíveis;
5 – Customizadas caso a caso, de acordo com as necessidades, recursos e outras circunstâncias específicas da instituição solicitante;
6 – Cientes do impacto do estigma, buscamos a humanização da saúde mental e das suas subjetividades, com a finalidade de reduzir a “cultura do rótulo” e os equívocos de conduta decorrentes desse paradigma.

Com convicção desses parâmetros, boa parte do processo de formulação de nossas atividades é dedicada à tradução de conteúdos de alta complexidade para uma linguagem acessível e pertinente à prática dos educadores assim como ao desenvolvimento de métodos que otimizem a apreensão do conhecimento abordado.

Em 2012, o Cuca Legal firmou parceria com o grupo canadense Teen Mental Health (www.teenmentalhealth.org), referência mundial no cenário de intervenções em disseminação de conhecimentos em saúde mental, com projetos no Canadá, Estados Unidos, Portugal e em países do continente africano e asiático. Dessa aliança, surgiram duas capacitações pioneiras em saúde mental para educadores junto à Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, nos anos de 2013, 2014 e 2015, que alcançaram mais de 700 educadores. Ainda em parceria com a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, em 2015, o Cuca Legal desenvolveu um projeto que atingiu professores de 17 escolas do estado com enfoque na promoção de Competências Socioemocionais.

Além das iniciativas junto à Secretaria da Educação de São Paulo, o Cuca Legal atuou em diversos cenários, desenvolvendo ações customizadas de acordo com o conteúdo público (educadores, pais e alunos), número de encontros e recursos disponíveis.
Ainda em 2015, um marco para a história do Cuca Legal foi o lançamento do livro “Saúde Mental na Escola: o que os educadores devem saber”, organizado pelos psiquiatras Gustavo M. Estanislau e Rodrigo A. Bressan, com a coautoria de pesquisadores renomados no Brasil e no mundo nas respectivas áreas abordadas na obra, e, finalmente, com a revisão de educadores visando a um resultado final cientificamente apurado, mas ainda assim de linguagem acessível .

Atualmente, “Saúde Mental na Escola: o que os educadores devem saber” tem sido muitas vezes citado como um “livro de cabeceira” por educadores no Brasil inteiro, que reconhecem a importância do assunto nas salas de aula.

Newsletter

Assine a newsletter e receba conteúdos qualificados sobre saúde mental no seu e-mail.
Faça parte desse movimento #amesuamente